PMPA / SMURB / Viva o Centro / Ações_inv / Ações - OCULTO / BONDE TURÍSTICO

Bonde Histórico

Breve Histórico:

Em 1/11/1864 foi inaugurada a primeira linha de bondes tracionados por mulas, entre o porto e o cemitério de Menino Deus. Essa linha foi encerrada em 1872 e os carros vendidos à cidade de Rio Grande, mas uma nova companhia, Carris de Ferro Porto-Alegrense, foi formada em 19/6/1872, reabrindo a rota em 4/1/1873. Uma segunda empresa, a Carris Urbanos, abriu linhas em outros lugares da cidade na década de 1880.

Todas as linhas e seus veículos foram adquiridos em 24/1/1906 pela Companhia Força e Luz Porto-Alegrense, que vinte anos depois foi dissolvida, passando as linhas a diversas empresas. Os bondes elétricos de dois andares começaram a operar em 10/3/1908 e em 1914 foi encerrado o serviço com tração animal.


Encomendas nos EUA e na Europa tornaram Porto Alegre, possivelmente, a cidade com maior diversidade de modelos de bondes em operação no mundo. A partir de 1963, o sistema de bondes na capital gaúcha começou a ser substituído por ônibus e tróleibus e em 8/3/1970 foi encerrado.

  • Diretrizes formuladas pelas Grupo de Trabalho do Projeto Viva o Centro composto pela seguintes secretarias: SPM, SMAM, SMIC, SMC, SEASIS, EPTC e PGM;
  • Termo de Referência do Bonde Histórico elaborado pelo GT Viva o Centro aprovado pelo Ministério do Turismo (MTur);

Em março de 2011, foi publicado o resultado da licitação realizada pela Secretaria Municipal de Turismo (SMTUR) no intuito de contratar o Estudo de Viabilidade para implantação do Bonde Histórico no centro de Porto Alegre. Das quatro empresas concorrentes, o consórcio formado pela Quanta Consultoria Ltda. e a Água & Solo Estudos e Projetos S/S Ltda. obteve a melhor pontuação no julgamento final. 

A ordem de início do Estudo de Viabilidade ocorreu no dia 20/07/2012. Foi criado um Grupo de Trabalho para acompanhamento e análise dos produtos do Convênio, composto pelos seguintes órgãos: SPM / SMOV / SMC / SMACIS / SMAM / SMF / EPTC / DMAE / DEP / GPE / PGM / CARRIS / SMTUR. As reuniões não foram meramente gerenciais, mas momentos de trocas de informações e orientações que foram definidoras dos arranjos estudados.

O consórcio apresentou o resultado em Audiência Pública, ocorrida no dia 14/12/2012, na Câmara Municipal de Porto Alegre.

Uma estratégia fundamental para entender a viabilidade e a atratividade do Projeto do Bonde Histórico foi a realização de pesquisas para registrar a opinião da população em geral, dos usuários do ônibus da Linha Turismo e dos comerciantes do Abrigo dos Bondes sobre diversos aspectos do projeto.

Foram analisados dois percursos: o previamente definido pela equipe do Projeto Viva o Centro – Percurso 1, com extensão de 3,2Km, passando pela Rua Sete de Setembro e pela Rua dos Andradas e o trajeto mais antigo, com extensão de 3,8Km, que troca a Rua dos Andradas pela Rua Duque de Caxias – Percurso 2. Os dois traçados foram avaliados sob diferentes pontos de vista, considerando os atrativos culturais e turísticos, as possíveis alterações do trânsito de veículos e pessoas, o relevo e as restrições técnicas relacionadas com o material rodante e sua alimentação.


Quanto ao material rodante foram estudadas três opções: veículos modernizados e veículos réplica, ambos com alimentação por cabo aéreo, e veículos modernizados com alimentação por bateria.

O Estudo de Viabilidade das hipóteses acima teve como resultado final a escolha do Percurso 2, utilizando dois veículos modernizados, de propriedade da PMPA, que necessitam de recuperação estrutural e mecânica. Como a alimentação original, por meio de cabo aéreo, implicaria em instalação de postes especiais e um sistema de sustentação, acarretando interferência na paisagem urbana e menor eficiência, necessitando manutenção constante, opto-se por alimentação por bateria.

A taxa de retorno para a economia (na faixa de 15%) é atrativa e justifica o empreendimento, além de incentivar a realização de novos investimentos e qualificação das atividades existentes ao longo do seu Percurso.

O prazo para implantação do projeto, incluindo licitações, projeto executivo e obras, foi estimado em 26 meses.

Investimento: 

Repasse de R$ 1,2 milhão liberado pelo Ministério do Turismo - Programa de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur Nacional)no final de dezembro de 2009 para a realização do estudo de viabilidade e projetos executivos. 

Estudo de Viabilidade: R$ 308.693,67

Projeto Executivo: R$ 1.036.160,00

Implantação: R$24.047.456,00




» contatos
Liane Klein
(51)3289.8275

Desenvolvimento PROCEMPA