PMPA / SMURB / Viva o Centro / Conheça o Centro / Ruas

Rua Senhor dos Passos

Começa na Rua Voluntários da Pátria e termina na confluência da Rua dos Andradas com a Praça Dom Feliciano.

Era conhecida como Beco do Cordoeiro, assim descrita por Coruja: “Em terrenos contíguos da chácara da Brigadeira e de Antônio Pereira de Couto havia uma estrada, viela ou atalho, que dava caminho da Caridade para a praia, e que não tinha nome de rua por não ter casas laterais. Edificadas algumas casinhas, foi para uma delas morar um cordoeiro chamado João, conhecido por João Cordoeiro, que deu à rua o nome de Beco do Cordoeiro...”.

Nas posturas municipais de 1831 e na planta da cidade de 1839, a viela é chamada de Beco do Couto ou Rua do Couto. Em 1836, um anúncio do jornal O Mensageiro, assim como um expediente da Câmara Municipal que solicita a colocação de um lampião para iluminação pública, já se referem ao logradouro como Beco do Cordoeiro.

Em 1841, deliberando sobre ruas que demandavam melhoramento urgente, a Câmara solicitou ao presidente da Província todos os galés existentes nas prisões, para os serviços de aterro e desmonte nas ruas de Santa Catarina, da Misericórdia e do Cordoeiro.

Em 1843, o beco recebeu definitivamente o nome de Rua Senhor dos Passos.

Em 1847, a Câmara sugeriu um alargamento da Rua Senhor do Passos, de 48 palmos para 80 palmos, visando o “aformoseamento do edifício da Santa Casa”, que naquela época estava sendo ampliado.  Entretanto o alargamento não foi concretizado, pois o argumento parece não ter convencido o presidente da província, que era precionado pela influência de dona Rafaela Pinto Bandeira Freire, senhora da Chácara da Brigadeira e de toda a face leste da rua.

Em 1869, depois de instalados os serviços de distribuição de água da Cia. Hidráulica Porto-Alegrense havia, na Rua Senhor dos Passos, 28 ligações domiciliares.

A Estatística Predial de 1892 registrou 75 prédios construídos na rua, sendo 50 térreos, 14 sobrados e 11 assobradados.

Em 1944 um alargamento de 8,10m para 14,00m, mediante recuo progressivo das construções, foi determinado por decreto, pelo Prefeito Antônio Brochado da Rocha.

Referências:
Franco, Sérgio da Costa. Guia Histórico de Porto Alegre. Porto Alegre: Editora da Universidade (UFRGS)/Prefeitura Municipal, 1992


Página 1 | 2 | 3 || Próxima

» contatos
Liane Klein
(51)3289.8275

Desenvolvimento PROCEMPA